O Novo A.normal

06/10/2020 20h07

Jorge Forbes

O vírus vai passar, nossa relação com o intangível, não. Nenhum “novo normal” vai tapar o buraco da incompletude humana.

 

Fomos apanhados de surpresa. Passamos a viver sem previsão. Perdemos todos os nortes. Estamos desbussolados!

Uma única pergunta paira no ar de todas as mídias: Como será o mundo pós-pandemia? Só se fala em um tal de "novo normal", ou seja, busca-se desesperadamente refazer as normas da vida que foram abaladas, na certeza enganosa de que tudo se resolverá com alguns acertos, alguns jeitinhos do gênero: trabalhar à distância, sair dos grandes centros, utilizar melhor a tecnologia, enovelar a vida de família com a vida do trabalho etc. É certo que isso se dará, que já mesmo está se dando. Agora, o problema é pensarmos que tudo se resolverá mudando as roupas de gaveta, reajeitando a vida em novas prateleiras do armário do chamado “novo normal”. É pouco, é por demais superficial, é insuficiente para apreendermos a revolução que nos acomete.

O vírus vai passar, nossa relação com o intangível, não. Nenhum “novo normal” vai tapar o buraco da incompletude humana escancarada nessa pandemia. Sabemos muita coisa, podemos muita coisa, mas não será suficiente para sabermos tudo, para podermos tudo. Nosso progresso jamais abolirá a surpresa, o acaso do melhor ou do pior, parodiando o verso famoso de Mallarmé.

Uma nova era se inaugura, uma nova Terra, a TERRADOIS. Essa nova era tem como especificidade a busca da harmonia com o intangível, com o que não conheço, com o que impacta, com o que não tem nome nem nunca terá. As eras éticas já esboçadas nessas colunas nos orientam sobre as quatro harmonias historicamente anteriores. Primeiro a harmonia com a natureza, depois a harmonia com o Deus, em seguida a harmonia com a razão, recentemente a harmonia consigo mesmo e, finalmente, hoje, a harmonia com o intangível.

De todas as harmonias essa é a mais frágil, móvel, flexível e instável. Ela requer a implicação de cada um em suas escolhas singulares do modo de viver. Como o mundo é incompleto nas respostas sobre o bem viver, cabe a cada pessoa dois movimentos éticos essenciais: inventar uma resposta onde não há e responsabiizar -se por passá-la ao mundo. Invenção e Responsabilidade fazem IR, se me permitem o destaque das duas letras iniciais.

Assim pensando, só nos resta desejar que o defensivo, reacionário e acomodativo “novo normal”, não nos coloque de volta no congelador das comidas prontas para requentar. Que não percamos a oportunidade de sendo mais anormais, sejamos responsavelmente criativos e criadores de um novo mundo.

 

Artigo publicado originalmente na revista HSM, edição 141.