Desejo do analista

13/11/2010 04h49

Por Jorge Forbes

É muito comum, ao sair de uma sessão difícil, o analisando dizer que se sente bem. Por que isso acontece? Porque ele depositava sua segurança, seu bem-estar, sua felicidade, em falsas muletas. Quando o analista as retira, o analisando acha que vai cair. Às vezes cai um pouquinho, como resultado de uma desorientação temporária. É notável como uma sessão de análise pode cansar o analisando a ponto de ele ter necessidade, logo em seguida, de um sono recuperador. É importante fazer diferença entre esse efeito, próprio ao tratamento, e uma reação histérica, cujo objetivo é, ao contrário, o de não querer se livrar do sintoma.

Não é mágica, essa mudança; é psicanálise. É acreditar, apostar no inconsciente. Para isso é necessário o analista ter passado longamente por um divã. Pela mó do divã, que vai triturando o trigo, debulhando-o até um ponto mínimo que Lacan chamou de “desejo do analista”. É desse ponto mínimo que se pode dirigir uma análise e possibilitar ao analisando o abandono das muletas.

(trecho de A Honra e o Sentido da Vida – do livro “Você quer o que deseja?”)