IPLA em Brigthon, Inglaterra

01/09/2018 02h24

Teresa Genesini

 

Continuando a apresentação das pesquisas empreendidas na Clínica de Psicanálise do Centro de Estudos do Genoma Humano da Universidade de São Paulo, o IPLA levou a pesquisa NEUROMUSCULAR PATIENTS: complaints are unrelated to disease a Brighton, Inglaterra, no 20th International Congress of World Muscle Society, realizado de 30 de setembro a 4 de outubro de 2015.

A parceria da Psicanálise com a Genética, iniciada em 2006, por Jorge Forbes, psicanalista, e Mayana Zatz, geneticista, resultou na criação da Clínica de Psicanálise do Centro de Estudos do GenomaHumano – USP, ligada ao Instituto da Psicanálise Lacaniana – IPLA. Mais de 100 pacientes e membros da família afetados por doenças neuromusculares têm sido tratados, com sucesso, nessa Clínica.

A pesquisa apresentada neste ano mostrou que o senso comum não é bom conselheiro. Espera-se que os pacientes afetados por doenças neuromusculares (NMD) que procuram tratamento psicanalítico sofram por causa de sua condição degenerativa.

Surpreendentemente, para o senso comum, o follow-up dos psicanalistas no tratamento de portadores de diferentes distrofias revelou que a maioria das queixas dos pacientes não estão relacionados com a sua doença. Escolhemos quatro casos clínicos para ilustrar como a psicanálise pode modificar as teorias prêt- à-porter de como lidar com pacientes portadores de distrofia:

Caso

Diagnóstico

 

Queixa principal

Resultado

M., 13 anos

Miopatia congênita 

Não consigo lidar com as preocupações crescentes e superproteção de minha mãe.

Ela precisa ser tratada pela equipe de Psicanálise.

Depois de ser tratada, a mãe recuperou a sua vida própria.

A postura física do paciente teve uma melhora significativa.

 

E., 43 anos

Distrofia muscular do tipo cinturas 
( DMC )

 

Eu perdi todas as minhas chances. Não consigo ver um futuro para mim .

Ela publicou um livro em que conta como a psicanálise a ajudou a renascer.

S., 35 anos

Distrofia Miotônica de Steinert 

Minha mãe morreu e tudo o que consigo fazer é passar meus dias sobre seu túmulo.

 

Depois da primeira sessão ele declarou que sua mãe apareceu em seus sonhos dizendo que ela não queria que ele fosse mais para o cemitério.

Ele redescobriu trabalho, amor e vida.

 

MJ., 43 anos

Distrofia muscular do tipo cinturas ( DMC )

(desde os 20 de idade em cadeira de rodas)

 

Meu problema é meu marido. Ele sofre de transtorno do pânico e quer que eu vá com ele em todos os lugares . Eu quero que ele seja tratado. Preciso de mais liberdade.

 

Depois de serem tratados, seu marido ganhou autonomia e ela também.

 

Entendemos que a “justa escuta do sofrimento de cada paciente” melhora o resultado do seu tratamento biológico. Concluímos nessa pesquisa que o sofrimento é sempre singular e está muito longe de suas patologias orgânicas. Não existe uma relação linear entre a condição degenerativa e o sofrimento.

O congresso da World Muscle Society:

Esse congresso acontece anualmente para propiciar a divulgação das descobertas científicas na área neuromuscular. Neste ano comemorou-se os 20 anos da criação da World Muscle Society e participaram do evento  750 pessoas de 40 países, com 45 trabalhos apresentados oralmente em plenária e 418 pôsteres discutidos em sessões específicas por tema com um facilitador que promovia a discussão entre o apresentador e a audiência. O WMS 2015 privilegiou estudos envolvendo doenças neuromusculares diversas como o funcionamento de células satélites no músculo normal e no músculo distrófico; novas técnicas diagnósticas usando sequenciamento de novas gerações e estudos de doenças de vias fisiopatológicas. Uma parte importante desse congresso são os novos avanços em terapia e novidades em todas as áreas das doenças neuromusculares. Neste ano foi dado destaque para a importância dos exercícios aeróbicos para a parte cardiovascular – uma nova abordagem no acompanhamento de pacientes de NMD. Houve ainda 4 simpósios sobre terapêutica promovidos por parceiros.

Neste ano apenas 5 trabalhos se referiam a abordagens psicológicas, como terapias que visam a amenizar as dificuldades de se conviver com a distrofia. O trabalho do IPLA destacou-se por duas inovações: incluir a ética da Psicanálise e se posicionar na contramão do bom senso. A Psicanálise se sobressai em meio a outras abordagens, que, sendo terapias de adaptação, visam, de uma forma moralista, “o bem-estar do paciente”.

O trabalho teve boa recepção no congresso. A Psicanálise Lacaniana do Real oferece um diálogo novo para os cientistas. Sigamos.